Artigo: Palmares, nosso farol!

0

Chegamos a mais um 20 de novembro sem nada para comemorar. Muito pelo contrário: com grandes retrocessos para população negra, potencializados por um governo racista, que aprofunda o projeto de necropolítica iniciado com a colonização, e que se moderniza até os dias de hoje. O governo neofascista de Bolsonaro banaliza e minimiza o racismo e as mortes da população negra pela violência de Estado, destrói as conquistas históricas desse povo, aparelha e sucateia entidades, como a Fundação Palmares.

Mas Zumbi dos Palmares segue sendo nosso farol na luta contra o racismo, a República de Palmares, como a ele se referia o grande autor Clovis Moura, continua e sempre será nossa referência de resistência e luta. E, mais, de como é possível construir uma sociedade justa, fraterna e livre de qualquer opressão, intolerância ou exploração, pois lá a gestão era coletiva; as leis eram justas; o trabalho, compartilhado; e reinavam a solidariedade e o respeito às múltiplas culturas que ali residiam.

O Estado, mesmo ainda colônia, sempre implementou leis antinegros. O primeiro instrumento de legislação, adotado por essas terras, foram as ordenações Filipinas. Nas disposições Filipinas, são identificados 71 dispositivos concernentes à escravidão, que orientavam os direitos e as garantias aos(às) escravizados(as), instrumentos legais  que eram inerentes à sua punição, ou seja, tortura e extermínio. Mais do que isso: houve 18 dispositivos que limitavam sua liberdade e seus direitos; 16 que lhes concediam direitos; 18 que lhes puniam e outros 18 que lhes regulamentavam, assim sendo os negros e as negras como coisa, propriedade, produto e produtor da riqueza dos latifundiários escravocratas.

Depois, a independência do Brasil manteve a escravidão e, em sua constituição de 1824, traz um artigo em que dizia que a educação era para todos, mesmo havendo milhares de crianças escravizadas. Vemos que a população negra segue como coisa sob a ótica das leis do Império. Em seguida, a proclamação da República acontece sem participação popular e sem garantir a indenização da população negra escravizada, que havia sido libertada legalmente há apenas um ano.

No início do século 20, 92% dos trabalhadores na indústria eram estrangeiros e, em 1911, no setor têxtil, cerca de 75% da força de trabalho era estrangeira, em sua maioria, italianos. O restante era ocupado quase todo por brasileiros, que não passaram pela escravidão; e pela população negra, quando tinha trabalho que ninguém queria fazer.

Com o desenvolvimento capitalista – no caso do Brasil, um capitalismo dependente por consequência de um escravismo tardio, uma vez que foi o último país a abolir legalmente a escravidão – vale lembrar que houve muitos levantes e revoltas negras, e que a população escravizada não era passiva, como alguns autores apontam. Foi a resistência que nos libertou e continuará nos libertando.

De 2019 para cá, as violências policial e de Estado se acentuam e têm como vítimas, como grande maioria, jovens negros, mas, também, mulheres e homens, alvos de uma política militarizada e de controle espacial, que se utiliza do discurso de guerra às drogas para implementar uma estratégia de ofensiva às periferias, de criminalização da pobreza, da cultura e da identidade negra, pois o extermínio se dá, primeiro, por ceifar vidas e corpos negros, e, também, pelos ataques à ancestralidade,  à cultura, ao sagrado e à estética de nosso povo.

A pandemia escrachou essas desigualdades. A Adesaf, comprometida com seu papel de transformação social, combate qualquer forma de opressão, intolerância, racismo, homofobia, machismo, xenofobia. Em seu último edital para o INICIA, Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos da instituição, reforça como público prioritário a população em alta vulnerabilidade, como jovens negras e negros, mães solo e LGBTQIA+. Nosso compromisso é com a defesa intransigente dos direitos humanos, e, a nossa luta, por uma sociedade liberta do racismo.

Dessa forma, viva a luz de Zumbi dos Palmares, Luiz Gama, Dandara, Carolina de Jesus, Lima Barreto, Machado de Assis, Malcon X, Clovis Moura e outros heróis de nosso povo. Salve os Racionais, Sabotage, Cartola, Wilson das Neves, MC Primo, Claudio e Ratinho e MC Barriga. Via a nossa cultura, a capoeira de mestre Sombra, o jongo e os orixás.

 

Seguimos na resistência.

Palmares ontem, hoje e para sempre!

 

Odair Dias Filho 

Diretor técnico da Adesaf, mestre em Serviço Social e Políticas Sociais, pesquisador, escritor e professor universitário

Print Friendly, PDF & Email
Mais
Compartilhe

Sobre o Autor

Os comentários estão bloqueados.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support