Campanha

Campanha 2.0

Dentro da programação de aniversário dos 18 anos da Associação de Desenvolvimento Econômico e Social às Famílias (Adesaf), a instituição lança a versão 2.0 da campanha #ÉCasodeRESPEITO, que será divulgada, principalmente, nas redes sociais.

Hoje, no Brasil, há várias demonstrações públicas de intolerância e falta de respeito, dentro e fora da internet. Preocupados com isso, atores e personalidades se uniram à Adesaf para chamar a atenção sobre a importância de construir uma nação de paz… E de respeito!

O que falta, muitas vezes… É SER humano, de fato! E isso vale para todos, principalmente aos que ocupam grandes cargos políticos no Brasil.

 

Esse é o 1º vídeo da série, estreada pelo ator Marcos Frota

 

Esse é o 2º vídeo da série, estrelado pelo ator Guilherme Leonel

 

Esse é o 3º vídeo da série, estrelado pela bailarina Marissol Dias

 

Esse é o 4º vídeo da série, estrelado pelo ator Rick Moreno

 

Campanha 1.0

Na 1ª edição, o foco foi Redução de Danos, estratégia de saúde pública voltada a pessoas em situação de rua que fazem uso abusivo de substâncias psicoativas.

Também estrelada por atores e personalidades, entre eles os globais Felipe Simas e Thammy Miranda, a Adesaf lançou, em 1º de abril, a campanha #ÉCasoDeRESPEITO. Nesta data, a Adesaf celebrou 17 anos de histórias e de desenvolvimento de dezenas de projetos e ações, que juntos já beneficiaram mais de 60 mil famílias no Estado de São Paulo. 

 

Assista ao 1º vídeo da campanha:

Assista ao 2º vídeo da campanha, com o ator Felipe Simas:

Assista ao 3º vídeo da campanha, com o empresário André Coelho:

Assista ao 4º vídeo da campanha, com a bailarina Marissol Dias:

Assista ao 5º vídeo da campanha, com o ator Jairo Martins:

Assista ao 6º vídeo da campanha, com o ator Thammy Miranda:

Assista ao 7º vídeo da campanha, com a apresentadora Íris Stefanelli:

Assista ao 8º vídeo da campanha, com o ator Rick Moreno:

+ SOBRE A CAMPANHA 1.0

A campanha que será compartilhada, principalmente, nas redes sociais, tem como foco a importância da mudança do olhar sobre a pessoa em situação de rua que faz uso abusivo de substâncias psicoativas. Em um dos vídeos, cada um com 30 segundos, atores e personalidades chamam a atenção para a necessidade de criação de políticas públicas integradas para este público, que deve receber uma intervenção não violenta, com foco no atendimento humanizado.

“As pessoas nessa situação precisam de cuidados e atenção especial do Estado e da sociedade. Não é com violência, repressão policial e internação compulsória que se resolve isso. É com um olhar humano, sensível, de garantia de direitos, respeitando a singularidade e a vontade da pessoa que quer mudar de vida e, assim, retornar à família e à sociedade”, explica Fernanda.

Além dos globais, a campanha também conta com as participações de André Coelho (empresário e modelo), Íris Stefanelli (apresentadora de TV), Jairo Martins (ator), Marissol Dias (bailarina) e Rick Moreno (ator).

 

+ SOBRE REDUÇÃO DE DANOS

A principal linha de cuidados defendida pela Adesaf para pessoas em situação de rua que fazem uso abusivo / crônico de substâncias psicoativas é a Redução de Danos, uma estratégia de saúde pública que, no Brasil, surgiu em Santos, em 1989.

A maior experiência da entidade com um programa nesta área ocorreu entre outubro de 2014 e março de 2018, na região conhecida como Cracolândia (SP).

Trata-se do programa De Braços Abertos (DBA), também chamado de Programa Operação Trabalho (POT), no qual a Adesaf era a cogestora no desenvolvimento de diversas ações voltadas aos cerca de 300 beneficiários da iniciativa municipal, encerrada pelo prefeito João Doria – mesmo com resultados e eficiência comprovados, inclusive internacionalmente – no último dia 31 de março.

Criado em 2014, o programa partia do resgate social dos usuários de crack e de outras drogas, por meio de qualificação profissional, frentes de trabalho (como varrição de ruas e praças de SP, plantação e colheita de mudas de plantas para manutenção de jardins da cidade e inclusão digital), alimentação e moradia, com orientação de intervenção não violenta. Suas diretrizes traziam um novo olhar sobre a pessoa dependente de substâncias psicoativas, que deixou de ser tratada como um caso de polícia e passou a ser encarada como cidadão, com direitos e capacidade de discernimento. O tratamento de saúde era uma consequência das etapas anteriores, e não condição prévia imposta para participar do programa.

Toda esta trajetória do trabalho da Adesaf e o progresso dos beneficiários do DBA podem ser conferidos em vários depoimentos, bem como no relatório recém-lançado pela Adesaf: Crack e outras drogas – O ineditismo e os resultados da política de redução de danos em São Paulo e no livro Cracolândia: Território do Abraço, que apresenta os dois primeiros anos da Adesaf à frente do DBA, em versões português e inglês. Todo o material está disponível, gratuitamente, nos canais on-line da instituição.

Próximos passos

É esta experiência que a Adesaf traz para a Baixada Santista. Em dezembro de 2017, após ter promovido oficinas nas cidades ao longo do ano, a entidade realizou um grande seminário metropolitano sobre o tema, que reuniu representantes dos nove municípios da Região. E o trabalho continua desde então, reunindo gestores municipais, técnicos e meio acadêmico para implementar políticas públicas integradas de redução de danos.

Print Friendly, PDF & Email
Mais