Resistência e democracia: ditadura nunca mais!

0

Hoje é 31 de março. Nessa mesma data, em 1964, acontecia o Golpe que levou a um dos períodos mais sangrentos da história contemporânea. Com o apoio da burguesia e de setores mais conservadores da Igreja Católica, marcharam pela deposição do presidente eleito João Goulart, sob o discurso da ameaça comunista, o que não correspondia aos fatos, uma vez que não havia condição histórica para um processo revolucionário.

Temos que chamar a atenção para fenômenos que ocorrem e se repetem antes da instauração de uma ditadura: um deles é a propagação de um discurso, sempre moralista, anticomunista, por Deus e contra corrupção, até que se consiga a hegemonia da massa e construa as condições para instaurar um Estado autoritário. Esse fato assistimos em 2016, quando houve a queda da presidenta Dilma Rousseff e a consolidação da maior fraude processual da história, que culminou na prisão do ex-presidente Lula e, posteriormente, na eleição do Bolsonaro e no desastre em que vivemos, agora.

 

A ditadura durou 20 anos: matou, prendeu e torturou milhares de homens, mulheres, jovens e até crianças. Foi um governo corrupto e fortemente beligerante, sob a égide das orientações da inteligência estadunidense, uma vez que a CIA colaborou com a vitória do Golpe de 64.

 

Elogios à ditadura e homenagens a assassinos e torturadores, como o coronel Ustra, têm sido recorrentes. O atual presidente sempre os fez de forma descarada. Sob a sombra da imunidade parlamentar, faz apologia e defesa desses crimes que ocorreram à época.

 

Movimentos sociais eram exterminados e perseguidos. Podemos, por exemplo, entender que, na data de hoje, que também marca o Dia Internacional da Visibilidade Trans, seria impossível qualquer ato, tendo em vista o caráter conservador e patriarcal dos golpistas. Desta forma, precisamos estar atentos e resistir a menor possibilidade de a história se repetir como tragédia.

 

O Estado já implementa um projeto de necropolítica (poder de ditar quem pode viver e quem deve morrer), por meio do qual milhares de jovens, em sua maioria negros, são assassinados nas periferias de todas as cidades. Esse governo tem estimulado e facilitado o acesso a armas de fogo, sob o discurso da proteção, quando, verdadeiramente, sabemos que a intenção é a guerra aos pobres, aos movimentos sociais e aos setores progressistas.

 

Assim, devemos repudiar e resistir ao avanço dessas forças, já não mais tão ocultas. Basta observar a extrema militarização do governo Bolsonaro, o ataque às minorias – como LGBTQIA+, população negra, mulheres, indígenas, sem-teto e sem-terra –, os crimes no campo e na cidade, cometidos por pistoleiros, e a invasão e o roubo de terras demarcadas. Sem falar dos ataques a instituições democráticas, como o Supremo Tribunal Federal (STF); e da luta pela democracia, que deve seguir com eleições livres a fim de garantir o pleno direito à voz, sem censura ou mordaça.

 

Juntos somos mais fortes!
Não passarão!
Ditadura nunca mais!

 

Texto: Odair Dias Filho, diretor técnico do Instituto Adesaf

Print Friendly, PDF & Email
Mais
Compartilhe

Sobre o Autor

Os comentários estão bloqueados.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support