Search

Nota: O País não precisa de mais um negacionista

Com o agravamento da pandemia do coronavírus, ontem (10), o Brasil foi o país que mais registrou mortes diárias pela covid-19: foram 2.286 vítimas, o maior número já contabilizado em um período tão curto.

270.656 pessoas morreram pelo coronavírus no Brasil. Os diagnósticos confirmados já somam 11.202.305. E a média móvel de mortos também é recorde: 1.626. Ou seja, nos últimos 7 dias, foram 11.382 vítimas da doença.

Média móvel essa que está no nível mais alto desde o início da pandemia, a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.

O ritmo de contágio também avança, o que já era previsto por cientistas, pesquisadores e instituições, como a Organização Mundial da Saúde (OMS), tão criticada e “desacreditada” até pelo próprio presidente da República, que deveria ser o exemplo de conduta no enfrentamento a essa doença.

Paralelamente a esses dados nacionais tão preocupantes, o Estado anuncia, nesta quinta (11), que vai entrar, na próxima segunda (15), em uma fase ainda mais restritiva de distanciamento social do que a vermelha do Plano São Paulo.

Temos que vencer esta doença. Faça sua parte. Fique em casa! Cuide de você e de sua família. Estamos em um momento ainda mais preocupante. Se precisar sair por algum motivo essencial, não esqueça de usar máscara e levar álcool em gel 70%. Ainda não é possível afrouxar essas medidas de prevenção, nem hora de aglomerar. É momento de ter ainda mais empatia, compaixão e solidariedade, principalmente, com a dor de quem perdeu um ente querido nesta batalha. Sejamos humanos!

Não deixe de tomar a vacina. Não compartilhe fake news nas redes sociais.

Defenda o SUS, a Ciência! Propague a importância da vida!

Associação de Desenvolvimento Econômico e Social às Famílias (Adesaf)

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Posts recentes

Esperança para o autismo

Parece estranhamente surpreendente como a história, mais cedo ou mais tarde, apresenta-nos verdades que outrora eram refutadas ou inaceitáveis em determinados períodos históricos, como a

VER MAIS »